.:Enxaquecas da K471:.
Dói, mas não cansa!
8.4.06
Suspenso no tempo (3)
Há dias em que batemos no fundo e até as longas batalhas e as idiossincrasias deixam de fazer sentido.
O que nos move na vida quando a vida não nos move?
Tenho a cabeça encostada ao vidro da janela no gesto dos desesperados que esperam o milagre de que sem esforço, lhes entre pela janela o arrebatamento de viver!
Como, óbvio, nada sucede, deixo a mente aberta e divago, espero pela invasão de imagens quase palpáveis que me podiam devolver o brilho do olhar...
Nunca me esqueci de ti... Uma vez disseram-me que percebemos que gostamos de uma pessoa, quando ela já não faz parte da nossa rotina, contudo ela não é esquecida...
Dor sentida pela K471 @ 13:10
7 Comprimidos:
  • Às 8/4/06 22:56, Blogger cold water tomou e disse…

    Como somos diferentes...
    Eu percebo que já não gosto de alguem quando se instalou a rotina..LOL





    Ps- o teu comment no blog da leo...ela sai demais, demais...

     
  • Às 9/4/06 09:51, Blogger K471 tomou e disse…

    Dizem Cold Water... dizem...

    A Leo sai? Eheh

     
  • Às 9/4/06 15:56, Blogger Rui Afonso Brandão tomou e disse…

    Es misteriopsa e enigmática. essas tuas meias palavras deixam-me sempre a pensar

     
  • Às 9/4/06 20:34, Blogger JSilvio tomou e disse…

    tens andado desaparecida...ohhh animal social...

     
  • Às 9/4/06 20:47, Blogger K471 tomou e disse…

    Ao Rui, um pequeno gesto com a língua, como que numa provocação basta! :p
    Ao Sílvio, claro, sou uma ragazza muito ocupada!
    Até parece que não sabes que tenho dois trabalhos!
    Waaa ehehe

     
  • Às 10/4/06 15:03, Anonymous Sr. X tomou e disse…

    Sabes por que razão existe o "fundo"? Para que quando nos afundemos, possamos no meio de toda a nossa miséria abrir os olhos e exclamar: Pôrra! Isto está tão mau que nem vou conseguir passar do fundo!
    Pois é, às vezes quando as coisas estão más, temos de sorrir. Não há outra hipótese. A Vida continua sempre, inexorável no seu rumo de nos levar mais adiante.
    A nossa única tarefa é tentar perceber o nosso rumo e adaptá-lo à corrente para que a nossa navegação seja mais ligeira, mais cómoda.
    Sabes, quando se navega há tanto tempo como eu, já não nos importamos tanto com as trapaças dos outros, ajudamos quem quiser auxílio e não nos importamos tanto se eles, após a ajuda, nos dão informações erradas para batermos nos rochedos e afundar.
    Não nos importamos, levantamos a cabeça, sorrimos-lhes, evitamos o rochedo e passamos para o próximo. Sim, há sempre um próximo. Temos apenas de saber contorná-lo e por isso, quantos mais rochedos ultrapassares, mais saberás navegar!
    É claro que, de quando em vez, podes sempre sorrir-lhes e até acenar-lhes: isso fá-los-á centrar toda a tenção em ti e não no rumo que tomam: é certo que baterão no rochedo deles e afundarão.
    Nessa altura, podes sorrir também, de satisfação.
    Apenas não deixes que esse seja o rumo da tua vida, utiliza-o com medida!
    Boa Sorte: estás certificada com a Carta de Marinheiro da Vida!

     
  • Às 11/4/06 18:02, Anonymous Camilo tomou e disse…

    Por falares em rotinas, deixo aqui uma opinião de um amigo sobre o casamento:
    - "os 1ºs ahahahahahah...nos 1ºs é só love...é por isso que ninguem chega aos 25...ahahahah...o problema é quando chega a habituação...se deixarem...na vida nada é fácil e um casamento não foge à regra pois claro...mas se não houver paciencia e compreensão nada feito...não sei o que se passa mas com inteligencia (quase) tudo é ultrapasado...e depois de uma grande zanga nada como umas boas pazes...eheheh"

    Anima-te amiga, dá um sorriso e segue a tua vida sem dar tanta importância aquilo que te faz mal

     
Enviar um comentário
<< Voltar à  dor
 

Paciente

K471
Funchal, Portugal
Perfil Completo, Aqui!

No Consultório
Crises Recentes
Visitas à Doente

Em Quarentena
O meu Paracetamol
O Tempo